fbpx

Servidor sofre de insuficiência coronária crônica, que lhe garante a integralidade dos proventos

Sinagências obtém auxílio transporte igualitário aos servidores da Anvisa
23 de junho de 2017
Em ação movida pelo Sinagências, servidores da ANTT garantem pagamento de VPNI
23 de junho de 2017

Servidor sofre de insuficiência coronária crônica, que lhe garante a integralidade dos proventos.

Um servidor público aposentado, considerado clinicamente inválido, teve declarado o direito de receber os proventos de aposentadoria de forma integral, com base no último nível/classe e última remuneração recebida na ativa. O direito foi garantido após ação movida por meio do Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (Sinagências) e de Wagner Advogados Associados.  Vinculado ao quadro de pessoal da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), o servidor teve sua aposentadoria fundamentada no artigo 40, § 1º, inciso I, da Constituição Federal, com a redação dada pela EC nº 41/2003, que garante os proventos integrais quando a aposentadoria é decorrente de doença grave especificada em lei. Ocorre que o servidor vinha sofrendo deduções após a ANTT aplicar média aritmética de 80% dos valores recebidos nos últimos anos.

Para a ANTT, o advento da EC nº 41/2003 resultou na paridade de proventos suprimida e a integralidade passou a se relacionar com a média das remunerações de contribuição, por isso, a média de 80% aplicada ao servidor. Ocorre que essa interpretação não considerou a garantia da integralidade.  O Tribunal Regional Federal da Primeira Região, ao decidir sobre o caso, afirmou: “a simples leitura do art. 40, §1º, inciso I, da Lei Maior, conduz à conclusão. Tratando-se de invalidez decorrente de doença grave especificada em lei, está garantida a integralidade dos proventos, ainda que a aposentadoria tenha ocorrido na vigência da EC 41/2003”.

Ante o exposto, foi declarado o direito de o servidor receber a integralidade de acordo com o último nível/classe na ativa e à aplicação da regra da paridade total com a remuneração dos servidores ativos, bem como determinou que a ANTT pagasse as diferenças de proventos decorrentes, retroativas à data da concessão do benefício, que iniciou em 2015. No processo, cabe recurso.

Fonte : Ascom/Wagner Advogados Associados.

Os comentários estão encerrados.

LOGIN
WhatsApp Entre em contato