fbpx

ANP autua OGX, de Eike, por infrações com válvula em Tubarão Azul

O papel das agências na atração de investimentos
23 de maio de 2013
ANP vive clima divisão entre técnicos e diretoria
23 de maio de 2013

Por DENISE LUNA / Folha de São Paulo

A ANP (Agência Nacional do Petróleo) autuou a OGX por duas infrações cometidas no processo de instalação da válvula de segurança subsuperfície DHSV (Down Hole Safety Valve) no principal poço produtor da empresa no campo de Tubarão Azul, o OGX-26, na bacia de Campos.

O valor da multa que será aplicada ainda não foi definida, e mais uma autuação ainda está sendo estudada, informou a ANP. Uma terceira autuação seria eventualmente aplicada pelo fato da empresa não ter instalado a válvula.

A empresa alega que não instalou a DHSV porque o poço não oferecia risco ao meio ambiente. O objetivo era simplificar o processo de produção.

A ANP, no entanto, entendeu que é necessária a instalação da válvula, o que deve ser feito o mais rápido possível.

Segundo o gerente executivo de reservatórios e reservas da OGX, Armando Ferreira, em entrevista nesta manhã (22), a instalação será feita apenas quando a OGX fizer alguma intervenção no poço, como a troca de algum equipamento.

Umas das duas autuações realizadas deve-se à informação prestada em documento de papel pela empresa de que a válvula havia sido instalada, enquanto no sistema de gerenciamento eletrônico não constava essa informação.

A outra autuação se deve à informação inverídica de que tinha instalado a válvula, informou a ANP.

NOVO FISCAL

A ANP informou que a decisão de exigir a instalação da válvula e as duas autuações tiveram como base a investigação de um fiscal designado para essa finalidade, e não o relatório do funcionário Pietro Mendes, feito anteriormente e considerado irregular pela agência, que transferiu o funcionário para outro setor.

O relatório de Mendes apontava oito autuações, que poderiam decorrer em multas de até R$ 15 milhões. As multas da ANP são limitadas a até R$ 2 milhões por autuação.

A suspensão das autuações feitas por Mendes foi explicada pela ANP pelo fato do funcionário não estar designado para a investigação.

O uso da válvula DHSV é obrigatória em poços surgentes, ou seja, em poços nos quais o petróleo tem força suficiente para sair sem auxílio de bombeamento, o que não é o caso do poço OGX-26, segundo a companhia.

Depois de uma grande vazão no início, o poço tem produzido cerca de 6 mil barris de petróleo por dia.

Junto com outro poço, o OGX-68, que voltou a operar na semana passada, após apresentar problemas operacionais, a OGX estabilizou a produção de Tubarão Azul em 10 mil barris por dia, informou hoje o gerente da empresa.

Os comentários estão encerrados.

LOGIN
WhatsApp Entre em contato