Sinagências defende a autonomia técnica na indicação da Diretoria das Agências Reguladoras

PORTARIA Nº 47, DE 31 DE MARÇO DE 2017
31 de março de 2017
Bloco Carnavalesco Regula mas Libera comemora dez anos de desfiles
4 de abril de 2017

Muito tem se falado sobre indicações para cargos de Direção nas Agências Reguladoras do país. A recente exposição na mídia de indicação neste sentido esquentou novamente o debate interno, para um tema que não é novo dentro das agências.

Assim, a maior parte da compreensão sobre essa temática se filtra na percepção de que as decisões do Executivo e Legislativo, sem parâmetros objetivos que repercutem na atividade regulatória, colaboram para o enfraquecimento da autonomia técnica das Agências Reguladoras Nacionais. 

O regramento atual dos requisitos de indicados para direção das Agências (Lei nº 9986/2000) não é um bom parâmetro, uma vez que abusa de conceitos jurídicos indeterminados: “Elevado conceito no campo de especialidades dos cargos para os quais serão nomeados”, os cargos de direção das agências possuem atribuições distintas do cargo mais técnico das agências que é o Especialista em Regulação, as atribuições fundamentais da direção são administrar e gerenciar as Agências, logo por estes conceitos indeterminados, não há como comprovar objetivamente esse tal “elevado conceito em gestão”.

Por isso, o Senado aprovou no ano passado o PLS 52/2013 (hoje PL 6621/2016, em tramitação na Câmara Federal) em que objetivamente obedece a cláusula geral de autonomia técnica das Agências, exigindo dos indicados à direção dois requisitos objetivos,  “ter experiência profissional no campo de atividade da agência reguladora ou área a ela conexa e ter formação acadêmica compatível com o cargo para o qual foi indicado”, e por mais que estes parâmetros não sejam um direito posto, é uma deliberação do Senado Federal, órgão competente para cuidar da cláusula geral de autonomia técnica das Agências quando sabatina os indicados.

Assim, o Sinagências defende a coerência para a análise e o debate desta questão, espera que o Senado realmente se balize pelo seu próprio entendimento (PLS 52/2013) e também reitera que irá se colocar à disposição junto às comissões a auxiliar nas sabatinas com técnicos especializados em cada ramo de atividade regulatória que for indicado um possível futuro diretor.

Diretoria Executiva Nacional 

 

 

 

 

Os comentários estão encerrados.