fbpx

NO PLENÁRIO DA CÂMARA, PRESIDENTE DO SINAGÊNCIAS DEFENDE MELHOR REMUNERAÇÃO

Sinagências participa de discussão na Câmara dos Deputados sobre Agências Reguladoras
14 de agosto de 2007
Sinagências participa do Dia Nacional de Luta da Central
15 de agosto de 2007
Ex-presidente da Anatel defende outorga pelas agências
  
15/08/2007 – 14h02
O ex-presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Renato Navarro Guerreiro, defendeu três funções básicas para as agências reguladoras durante a comissão geral que discute o assunto. Segundo ele, a função primordial de uma agência é organizar o mercado, e, para isso, ela deve regulamentar, habilitar e fiscalizar o setor em que atua. Regulamentar, segundo ele, significa elaborar as regras a serem cumpridas pelo mercado, e não as leis setoriais. Já habilitar significa proceder à outorga, seguindo um plano que pode ser elaborado pelo governo, mas deve ser implantado pelas agências. E fiscalizar é avaliar se as metas estão sendo cumpridas. Como exemplo, ele citou os bancos centrais do mundo todo, inclusive o brasileiro, que foram as primeiras agências reguladoras e têm as três atribuições.
   
Guerreiro foi o primeiro presidente da Anatel, e, por cinco anos, compareceu ao Congresso cerca de 40 vezes, mas nunca para discutir o relatório anual da agência, que sempre é enviado por força de lei. Ele ressaltou que o Congresso precisa exercer seu papel de fiscalizar as agências mais de perto. O ex-presidente ainda defendeu o mandato sem recondução para os dirigentes de agências, a não coincidência de mandato, a troca de um conselheiro a cada ano e a profissionalização dos quadros de pessoal. "Sou favorável à perda de mandato por incompetência, desde a indicação, hora em que o Congresso precisa exercer seu papel de vetar o nome de um dirigente."
  
Salários
O Presidente do Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (Sinagências), João Maria Medeiros de Oliveira, defendeu a valorização dos trabalhadores das agências. Segundo ele, o salário inicial da carreira, hoje R$ 2.906, não é suficiente para o nível de especialização necessário. Por isso, segundo ele, muitos servidores migram para a iniciativa privada. "Precisamos ter um ambiente de bom desempenho para a regulação, e isso se faz com trabalhadores experientes e bem remunerados."
     
Atualização legal
O consultor da área de regulação em telecomunicações, Israel Bayma, que orientou, nos últimos cinco anos, a bancada do PT sobre assuntos da área, disse que foi acertada a decisão de reavaliar a legislação de todo o setor, e não apenas a relativa à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Bayma também defendeu a atualização da legislação na área de telecomunicação – urgente com a crescente convergência tecnológica no setor.
   
Reportagem – Marcello Larcher
Edição – Natalia Doederlein
  
   

Clique aqui e filie-se ao Sinagências
    

Os comentários estão encerrados.

LOGIN
WhatsApp Entre em contato