fbpx

GREVE DA ANVISA FAZ NOVARTIS PARAR PRODUÇÃO

TRABALHADORES EM GREVE FAZEM ATO EM FRENTE À ANATEL EM BRASÍLIA
13 de abril de 2006
Sinagências promove ato público na sede da Anatel
14 de abril de 2006
A Novartis Brasil, uma das maiores empresas farmacêuticas do País, informou a este jornal que, sem os insumos e medicamentos que estão à espera de liberação no porto de Santos (SP), vai parar amanhã seis de suas linhas de produção, destinadas a medicamentos para mal de Alzheimer, Parkinson, asma, transtornos de déficit de atenção e hiperatividade, terapia de reposição hormonal e transplantes.
 
"A produção só não parou antes porque buscamos todas as alternativas possíveis", disse o diretor de assuntos corporativos do laboratório, Nelson Mussolini. "Agora, a falta de produto chegou ao limite. Provavelmente sentiremos o impacto das vendas de abril", disse. Ele informou ontem que os cálculos dos prejuízos ainda estavam sendo feitos.
 
O laboratório é uma das muitas empresas afetadas pela greve na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que completa hoje 50 dias. A reunião de ontem entre o comando de greve e representantes do governo terminou sem acordo e um novo encontro está previsto para amanhã, no Ministério do Planejamento.
 
A JP Indústria Farmacêutica S.A., de Ribeirão Preto, parou na segunda-feira a linha de produção de bolsas de sangue, por falta do coletor de amostra que é acoplado à bolsa, fornecido por uma empresa da Malásia. A bolsa de sangue é um dos carros-chefe da empresa, com produção de sete mil unidades por dia. "Se a situação continuar assim, teremos de dar férias para os 70 funcionários que trabalham na linha", diz o responsável por compras da JP, Renê Higuchi. A empresa emprega 350 funcionários. Além dos 70% de paralisação dos quadros da Anvisa, também estão paralisados 65% dos trabalhadores da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) 35% do quadro de funcionários da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) e 25% dos servidores da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Há também paralisações na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).
 
Segundo Mussolini, existem medicamentos e insumos parados no Porto de Santos desde 17 de março e apesar dos mandados de segurança conseguidos pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) e pelo Sindicado das Indústrias de Produtos Farmacêuticos do Estado de São Paulo (Sindusfarma), ainda não foi possível a liberação. A própria Novartis também entrou com mandado de segurança, que aguarda posicionamento da Justiça.
 
A greve na Anvisa também afetou a Dabi Atlante S.A., grande fabricante de consultórios e equipamentos odontológicos de Ribeirão Preto. Devido à falta de tubos de Raio X, importados do Japão, Europa e China, a empresa paralisou por duas semanas a linha de produção deste equipamento. "Mas conseguimos liberar na Justiça os produtos em Cumbica e Viracopos e a produção deverá ser retomada nesta semana", diz José Miranda da Cruz Neto, superintendente da empresa.
 
A Dabi perdeu temporariamente vendas domésticas de Raio X. Segundo Miranda, o problema não ocorreu com os consultórios odontológicos, cujas peças e parte que ainda eram importadas foram quase todas nacionalizadas em 2005.
 
A reunião de ontem entre o comando de greve e representantes do governo terminou sem acordo e um novo encontro está previsto para amanhã, véspera do feriado de Páscoa, no Planejamento. De acordo como o membro do Comando Nacional de greve, Edelvino Albuquerque da Silva, a primeira proposta apresentada pelo governo inclui três itens sem detalhamento, todos associados à contrapartida do fim da paralisação.
 
O primeiro ponto da proposta diz que em até 30 dias será elaborado um projeto de lei (PL) que redistribui os servidores federais cedidos às agências. O governo também se comprometeu a apresentar, por PL, plano de aproximação das tabelas de remuneração dos servidores redistribuídos e dos especialistas e analistas em regulação de nível superior e dos técnicos em regulação e administração de nível médio. O terceiro item propõe a extensão, por ato administrativo, dos contratos dos médicos da Anvisa de 20 para 40 horas com duplicação de remuneração.
 
Fonte: Gazeta Mercantil

Os comentários estão encerrados.

LOGIN
WhatsApp Entre em contato