fbpx

Diretor-geral recebe comitiva do ES para tratar do desenvolvimento portuário no estado

ANP prevê expansão na exportação de petróleo até 2020
18 de agosto de 2011
Ancine precisará de recursos humanos e financeiros adicionais
18 de agosto de 2011

O diretor-geral da Antaq Fernando Fialho recebeu ontem (17) uma comitiva do Espírito Santo para tratar de temas relativos ao desenvolvimento portuário no estado. Integraram a comitiva os secretários de estado dos Transportes e Obras Públicas e de Projetos Especiais e Articulação Metropolitana, Fábio Damasceno e José Eduardo de Azevedo, respectivamente; o secretário executivo da organização Espírito Santo em Ação, Guilherme Weichert Neto e o presidente da Federação das Empresas de Transporte do ES, Luiz Wagner Chieppe.

Azevedo disse que o governo do Espírito Santo pretende alinhar seus projetos com os do governo federal, destacadamente na área de infraestrutura. “Nossa visita hoje tem esse objetivo de estreitar laços com a agência para que possamos trabalhar juntos, a fim de construir um sistema portuário de excelência no estado”, afirmou o secretário.

Fialho cumprimentou o grupo pelo interesse em promover uma sinergia entre empresários e governo estadual e entre este o federal. “Podem contar com a equipe da Antaq no que for preciso para fazer avançar os projetos de desenvolvimento portuário no estado”, disse o diretor-gerral.

Na avaliação de Fialho, a costa do Espírito Santo é uma das que mais oportunidades oferecem para a instalação de novos portos e terminais de uso privativo. “O litoral do estado é o mais próximo, por exemplo, das regiões do estado de Minas Gerais de onde saem commodities minerais rumo ao exterior”, avaliou. Ele acredita também que o pré-sal estimulará a demanda por mais e melhores serviços portuários no estado.

O diretor-geral lembrou ainda que o Plano Geral de Outorgas identifica áreas no estado com potencial para receber novos portos e terminais ou para aumentar os já existentes. Para Fialho, os projetos portuários têm de estar atrelados ao desenvolvimento de distritos industriais, daí a importância que assume a retroárea. “Portos isolados não geram emprego e renda como aqueles ligados aos distritos industriais, como ocorre em Suape”, exemplificou.

Fábio Damasceno acrescentou que o desenvolvimento da atividade portuária deve seguir um plano, em elaboração, de integração logística, que aproveite a infraestrutura já existente. “Assim não é necessário investir pesadamente no acesso ao porto, como ocorre naqueles casos em que o porto é instalado em local isolado”, lembrou Damasceno. Ele mencionou ainda a intenção do estado de investir em terminais de turismo náutico. “Estamos elaborando um projeto de um píer novo para cruzeiros”, revelou o secretário.

Fialho lembrou que é preciso dar início o quanto antes aos projetos de desenvolvimento dos portos, se se pretende fazer com que o sistema portuário do Espírito Santo alcance o nível de excelência. “São projetos de longa maturação, que demoram, no mínimo, seis, sete anos”, lembrou.

Fonte: Portal Naval

Sinagências, o Sindicato de todos!
Contribua para o fortalecimento da sua categoria, do seu Sindicato, em defesa de Agências Reguladoras independentes, clique aqui e filie-se.

Os comentários estão encerrados.

LOGIN
WhatsApp Entre em contato