fbpx

Dilma confirma correção de 4,5% na tabela do Imposto de Renda

Prazo inscrição de chapas para Secretarias Sindicais termina no dia 27
19 de fevereiro de 2015
Sinagências visita sede da Anvisa na próxima semana
20 de fevereiro de 2015

A presidente Dilma Rousseff defendeu, na manhã desta sexta-feira (20/2), a correção da tabela do Imposto de Renda em 4,5%. Segundo ela, não há recursos para corrigir a tabela em 6,5% como estava previsto em texto do Congresso Nacional vetado por ela no início do ano. O veto ainda pode ser derrubado pelos congressistas. Ele deve ser analisado na semana que vem.

Segundo parlamentares que defendem uma correção maior, a correção em 4,5% não compensará a alta dos preços. Dilma disse que, caso haja a derrubada do veto, deverá haver uma nova rodada de negociação, a começar pelo envio de um novo texto ao Congresso Nacional. “Nós não estamos vetando porque queremos. Estamos vetando porque não cabe no Orçamento. Nunca escondemos que era 4,5%", disse a presidente. Ela participou nesta manhã da cerimônia de entrega de credenciais a embaixadores estrangeiros.

“Eu tenho um compromisso e vou cumprir meu compromisso, que é 4,5%. Não estamos vetando porque queremos, estamos vetando porque não cabe no orçamento público, é assim”, argumentou Dilma em entrevista após a cerimônia de entrega de credenciais de novos embaixadores no Brasil. É a primeira entrevista de Dilma desde dezembro do ano passado, quando tomou café da manhã com jornalistas, ainda antes de assumir o segundo mandato.

“Eu já mandei [a proposta de 4,5%] por duas vezes, vou chegar à terceira vez. Meu compromisso é 4,5%. Se, por algum motivo, não quiserem os 4,5%, nós vamos ter de abrir um processo de discussão novamente”, adiantou.

Quanto maior o índice de correção da tabela, maior o número de contribuintes isentos do pagamento de imposto e menor a arrecadação. O governo argumenta que a correção de 6,5% levaria a uma renúncia fiscal de R$ 7 bilhões.

Dilma também defendeu as mudanças nas regras de concessão de benefícios trabalhistas e previdenciárias, anunciadas pelo governo em dezembro, e disse que as alterações vão corrigir distorções. “Todas as medidas que nós tomamos têm um objetivo. Não estou falando das fiscais, estou falando daquelas que dizem respeito ao seguro-desemprego, ao abono salarial, à pensão por morte. Nós estamos aperfeiçoando a legislação. A legislação tem que ser aperfeiçoada da mesma forma como fizemos como o Bolsa Família”, disse, ao citar os processos de auditoria pelos quais o programa social passa.

A presidente negou que as mudanças representam retirada de direitos ou flexibilizem a legislação trabalhista do país. “Flexibilização da legislação trabalhista é acabar com o décimo terceiro, com férias, com aviso prévio”, comparou.

Sobre a disposição do governo em voltar atrás no endurecimento das regras para concessão dos benefícios, Dilma disse que “sempre há negociação”, mas que o governo “tem posições claras”. “Sempre há negociação. Ninguém acha que num país democrático como o Brasil, que tem um Congresso livre, que tem movimentos sociais sendo ouvidos e com os quais você dialoga, seja algo fechado, que não há negociação. Sempre há negociação, mas há também posições claras. A gente tem que defender posições claras”, avaliou.

Com informações da Agência Brasil

Os comentários estão encerrados.

LOGIN
WhatsApp Entre em contato