fbpx

CUT: governo não pode pôr em prática a agenda derrotada

Sinagências dá início a programa de visita aos locais de trabalho
23 de janeiro de 2015
Sinagências apoia veto à entrada de capital estrangeiro na atenção à saúde do Brasil
26 de janeiro de 2015

"É inaceitável que o governo comece a colocar em prática a agenda da direita, derrotada nas eleições. Vamos continuar a pressão para impedir a implantação de políticas recessivas e não vamos permitir que as conquistas dos últimos 12 anos sejam colocadas em risco", diz a executiva da CUT, em nota divulgada na tarde de hoje (22), em resposta à decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central de aumentar a taxa básica de juros em meio ponto percentual, para 12,25% ao ano. "Mais uma decisão lamentável do governo neste início de ano", afirma a central.

Para a entidade, o aumento dos juros, somados às medidas que restringem direitos sociais e o anúncio de ajustes fiscais representam "um prenúncio de desemprego e desaceleração do desenvolvimento" do país. "Com o aumento da Selic, mais uma vez o governo empurra a conta para a classe trabalhadora", diz a direção cutista. "Com os juros altos, o consumo cai, a produção diminui e o desemprego aumenta; a desigualdade social cresce, o desenvolvimento cessa e o país retrocede."

A CUT questiona a afirmação oficial de que os ajustes serão com "o menor sacrifício possível". "Só se for dos banqueiros, dos rentistas e dos detentores de grandes capitais, que têm interesse, sempre, em aumentar cada vez mais seus lucros. Conter a inflação não pode significar aumentar o desemprego. Essa fórmula foi usada durante décadas em nosso país e sempre resultou em arrocho e recessão."

Fonte: Rede Brasil Atual

Os comentários estão encerrados.

LOGIN
WhatsApp Entre em contato