fbpx

Anvisa decide manter emissão de livre prática

Assembléia Estadual dos Servidores de Alagoas
10 de julho de 2008
Greve afeta operações em Suape
10 de julho de 2008

Assim como no último final de semana, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vai conceder a livre prática aos navios que chegarem ao Porto de Santos. A única exigência dos funcionários do órgão, em greve há uma semana, é que seja entregue um plano detalhado das operações que serão feitas no cais santista.

A livre prática é o documento necessário para a operação no cais e é concedido pela Anvisa. Além da agência sanitária, servidores de outras sete agências reguladoras cruzaram os braços em todo o País.

A paralisação dos funcionários das agências reguladoras continua afetando as atividades no Porto de Santos. Ontem à tarde, a fila na Barra de Santos era de 40 navios, dos quais 12 ainda dependiam de livre prática.

Ainda ontem, o Sindicato das Agências Marítimas do Estado de São Paulo (Sindamar) se reuniu com um representante do posto da Anvisa de Santos. Ficou acertado que a livre prática será concedida aos navios assim que eles chegarem à Barra de Santos, após consulta à Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) para detalhamento geral da operação a ser realizada. Com isso, fica garantido que o documento será expedido, mas "paulatinamente", conforme apurou A Tribuna. Até quinta-feira passada, os prejuízos somavam R$ 5 milhões.

Para o diretor-executivo do Sindicato dos Operadores Portuários do Estado de São Paulo (Sopesp), José dos Santos Martins, a situação deve melhorar a partir de hoje, uma vez que a Anvisa "deu uma relaxada" na liberação dos navios. "Até o final da semana passada estava muito complicado para trabalhar. Esperamos que a situação melhore nos próximos dias".

Martins explica que não é possível mensurar os prejuízos sofridos com a greve porque "toda a cadeia logística é afetada por ela". Sobre as outras paralisações previstas ­ dos vigilantes agropecuários, de dois dias por mês a partir de agosto, e dos trabalhadores portuários, no dia 16 ­, o representante dos operadores avalia que o cenário é "crítico". "Esperamos que o Governo Federal tome providências com relação às greves. Caso contrário, os prejuízos serão irreparáveis".

REUNIÃO

Também ontem, o presidente do Sindicato dos Servidores das Agências de Regulação (Sinagências), João Maria Medeiros de Oliveira, se reuniu com o ministro de Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, para reabrir as negociações entre a categoria e a União.

O principal pleito dos funcionários de agências reguladoras é a equiparação de cargos de mesmo nível. No entanto, segundo Oliveira, "até o momento o Governo não apresentou uma proposta viável, mas apenas pequenas alterações", referindo-se aos valores pagos atualmente.

Segundo o sindicalista, o Governo planeja aumentar o abismo entre profissionais que exercem a mesma função. "A proposta para os técnicos é irrisória. Antes, eles ganhavam 49% do salário-base dos funcionários de nível superior, exatamente o que manda a Lei 10.871/04, que rege as carreiras das agências reguladoras. A intenção do Governo é que eles passem a receber somente 32% do salário de nível Superior. O Governo está rasgando a lei".

Fonte: Revista Portuaria

Os comentários estão encerrados.

LOGIN
WhatsApp Entre em contato