fbpx

ANS: Vagas não podem sofrer cortes, reivindica Sinagências

Inflação medida pelo IPC-S avança em quatro das sete capitais pesquisadas
25 de novembro de 2014
Instalada Comissão de Ética
26 de novembro de 2014

A demanda na área da Saúde não para de crescer. Essa é uma das observações de Ricardo Holanda, diretor de Comunicações do Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (Sinagências), indignado com a recente notícia de um eventual corte de despesas com pessoal pelo governo federal, em 2015. Isso poderia acabar afetando os pedidos de concursos que tramitam no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), entre eles o da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Para o sindicalista, o pleito de 102 vagas feito pela autarquia é pequeno diante da real necessidade, de 917 servidores. ?O mínimo que o governo pode fazer é autorizar essa oferta, que é pouco expressiva perante o déficit de pessoal. O não ingresso desses novos concursados irá prejudicar ainda mais a fiscalização dos planos de saúde, e os processos ficarão cada vez mais acumulados. Hoje, são cerca de 60 milhões de usuários de planos, ao mesmo passo em que aumentam as reclamações desses clientes?, frisou.

Ricardo Holanda também salientou que a seleção é inevitável. O pedido de 102 oportunidades é apenas para o nível médio. Caso o concurso seja autorizado na íntegra, a ANS contará com mais 66 técnicos administrativos e 36 técnicos em regulação. Para quem deseja a estabilidade no emprego, a seleção é uma excelente opção, já que o regime de contratação é o estatutário. Além disso, a agência reguladora paga, atualmente, R$5.791,25 aos técnicos administrativos e R$6.047,25 aos técnicos em regulação. Nos dois valores já estão incluídos os R$373 de auxílio-alimentação. Quem quiser concorrer a uma das vagas quando a seleção for aberta, portanto, deve se dedicar aos estudos, já que a concorrência promete ser acirrada.

Para quem desanimou com o quantitativo solicitado pela ANS, uma boa notícia: no último concurso, de 2013, a entidade convocou um número de classificados além da oferta inicial: das 21 oportunidades de técnico administrativo, houve 71 pessoas recrutadas à posse, e das três vagas de técnico em regulação, 15 aprovados foram convocados. A sede da ANS é no Rio de Janeiro. Isto indica que o maior quantitativo do futuro concurso deverá ser para o local. A autarquia está situada ainda em Belém/PA, Belo Horizonte/MG, Brasília/DF, Cuiabá/MT, Curitiba/PR, Fortaleza/CE, Porto Alegre/RS, Recife/PE, Ribeirão Preto e São Paulo/SP e Salvador/BA.

Fonte: Folha Dirigida

Os comentários estão encerrados.

LOGIN
WhatsApp Entre em contato