fbpx

STJ afirma que terço de férias não deve ser base de cálculo de contribuição previdenciária

Sinagências participa de manifestação na sede da Anvisa em Brasília
11 de fevereiro de 2010
Nota de falecimento: Roberto Rezende de Sousa, servidor da Anvisa em Goiás
12 de fevereiro de 2010

Processo contou com a participação do Sinagências como terceiro interessado

O Superior Tribunal de Justiça – STJ, na Petição nº 7193, confirmou em decisão unânime da Primeira Seção que a parcela relativa ao terço de férias não deve ser incluída na base de cálculo das contribuições previdenciárias ao plano de seguridade do servidor. O julgamento aconteceu no Incidente de Uniformização de Jurisprudência, suscitado pela Fazenda Nacional, em razão de julgado da Turma Nacional de Uniformização de Jurisprudência dos Juizados Especiais Federais. No processo, o Sinagências, por meio da assessoria jurídica Wagner Advogados Associados, apresentou manifestação na condição de interessado, visando que a decisão fosse modificada para ser favorável aos servidores.

Em novembro de 2009, o STJ já tinha decidido as Petições nº 7296/PE e 7192/RJ sobre o mesmo assunto, nas quais o Sinagências também ingressou na qualidade de terceiro interessado.

Até o julgamento desses Incidentes de Uniformização de Jurisprudência, a Primeira Seção vinha mantendo o entendimento de que a parcela deveria sofrer a incidência da contribuição, pois seria “tipicamente retributiva da prestação de trabalho e não foi excluída pelo legislador da base de cálculo da contribuição”. Tal posicionamento, no entanto, contrariava a posição já consolidada por duas Turmas do Supremo Tribunal Federal – STF.

O ingresso do Sinagências na condição de terceiro interessado foi importante, pois entidade sindical e de âmbito nacional pode bem demonstrar o direito dos servidores, propiciando ao Judiciário modificar determinado entendimento outrora equivocado, destaca o advogado integrante do escritório Wagner Advogados Associados, Valmir Floriano Vieira de Andrade.

– O Sinagências está atento para esses julgamentos paradigmáticos dos tribunais superiores, intervindo sempre que cabível e conveniente – informa o advogado Valmir Andrade.

Essa decisão é importante porque todos os demais processos que tramitam sobre o mesmo assunto deverão ser decididos da mesma forma, eis que agora há jurisprudência do STJ.

O Sinagências possui processos tramitando na Justiça Federal quanto a este tema e estará juntando a decisão do STJ, para fins de demonstrar a jurisprudência recém formada, bem como requerer celeridade no julgamento. Assim, os filiados também serão beneficiados nestes processos do sindicato (veja abaixo), logo que houver decisão.

Outrossim, lembra-se que as decisões dos Tribunais são específicas para os processos em que ocorreu e obriga apenas as partes envolvidas. Não vinculam a Administração Pública para implementar para os servidores que não estejam no processo. Porém, mesmo assim, o Sinagências está providenciando encaminhamento de requerimento administrativo para cada Agência, visando que o entendimento do STJ seja aplicado imediatamente.

Sinagências, o Sindicato de todos!
Contribua para o futuro da categoria, clique aqui e filie-se ao Sinagências

Os comentários estão encerrados.

LOGIN
WhatsApp Entre em contato