fbpx

ANP publica estudo sobre monitoramento de estoques de combustíveis

Sinagências é contrário ao novo Substitutivo em estudo pela Comissão Especial da PEC 32 e formula texto para minimizar danos.
18 de setembro de 2021
Reforma administrativa: após substitutivo desagradar, nova versão da PEC sai nesta segunda
20 de setembro de 2021

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) publicou, no dia 27 de agosto, a versão final do Relatório de Análise de Impacto Regulatório sobre Monitoramento dos Estoques de Combustíveis. O objetivo deste estudo é a implementação de regras que permitirão à ANP receber diariamente informações sobre o estoque de combustíveis no país.

O próximo passo será a preparação da proposta de resolução sobre o tema, que passará por todas as etapas previstas para a criação de novos regulamentos pela Agência, como consulta e audiência públicas, antes de entrar em vigor. A resolução conterá as regras, obrigações e prazos para os envios diários dos dados de estoques à ANP. A versão final que foi aprovada pela Diretoria da Agência no dia 26 de agosto está disponível aqui.

Segundo a Agência, a iniciativa da ANP tem por objetivo permitir o monitoramento de forma dinâmica, o abastecimento de combustíveis por meio do acompanhamento diário dos estoques e informações relacionadas à oferta, demanda e fluxos logísticos, utilizando ferramenta de business intelligence como solução tecnológica de análise de dados. “A Agência poderá identificar determinadas situações de risco de desabastecimento com a devida antecedência, possibilitando que sejam adotadas medidas voltadas para a garantia do suprimento de combustíveis à população”, diz a ANP em nota.

Os agentes regulados responsáveis pelo envio dos dados diários serão os relacionados às atividades de produção, armazenamento e distribuição de combustíveis, que enviarão informações sobre os estoques de gasolina A, gasolina C (com adição de etanol anidro, vendida nos postos), GLP (gás de cozinha), óleo diesel A, óleo diesel B (com adição de biodiesel, vendido nos postos), óleo diesel marítimo, etanol hidratado (vendido nos postos), etanol anidro, biodiesel, óleo combustível, querosene de aviação (QAV) e gasolina de aviação (GAV).

A Agência afirma ainda que poderá identificar determinadas situações de risco de desabastecimento com antecedência, possibilitando que sejam adotadas medidas voltadas para a garantia do suprimento de combustíveis à população. “A medida atende ao cenário atual, em que a Petrobras, principal fornecedora de combustíveis do país, apresenta uma política de desinvestimentos, tornando ainda mais relevante que a Agência aperfeiçoe o monitoramento do abastecimento de combustíveis”, afirma a ANP.

Os comentários estão encerrados.

LOGIN
WhatsApp chat