FATO OU FAKE – Não é oficial a informação de que o texto da Reforma Administrativa trará divisão de categorias

PEC EMERGENCIAL – Sinagências é contra redução obrigatória de salário e jornada de servidores e tem a convicção que a proposta será derrotada
5 de fevereiro de 2020
Nota oficial do Sinagências sobre as declarações do Ministro da Economia Paulo Guedes no Seminário do Pacto Federativo FGV
7 de fevereiro de 2020

Senado, Câmara, Liderança do Governo e Ministério da Economia negam a informação

Desde o início desta semana, com a volta do recesso parlamentar, as informações e matérias a respeito do possível texto sobre a Reforma Administrativa a ser apresentado ao Congresso Nacional passa por diversas informações e narrativas.

A imprensa tem publicado materiais diversos sobre o tema em que destaca que servidores seriam divididos em três tipos de categorias: servidores de estado, servidores que seriam contratados por tempo indeterminado e servidores temporários e nesta última, a exemplo, entraria a área de servidores que atuam na inspeção da ANVISA.

A entidade foi verificar a questão nas instâncias oficiais que debaterão as carreiras dentro da Reforma Administrativa e checou que tanto na presidência da Câmara, quanto na presidência do Senado, também na liderança do Governo no Congresso e no próprio Ministério da Economia a informação noticiada de divisão em três tipos de categorias não é oficial e tratada como especulação.

Na liderança do Governo, a assessoria parlamentar do senador Eduardo Gomes (MDB.TO), indicou que a prioridade para o Governo será a Reforma Tributária e que a divisão de categorias colocada pela imprensa em diversas matérias não passa de suposições.

Ainda no Congresso Nacional, a assessoria de gabinete da presidência da Câmara, Rodrigo Maia (DEM.RJ) declarou que a informação não é de conhecimento oficial. Também na presidência do Senado, a assessoria do gabinete do presidente Davi Alcolumbre (DEM.AP) afirmou que não se pronuncia porque o trâmite sobre a matéria não foi iniciado na casa.

Por fim, no próprio Ministério da Economia (ME) a assessoria do órgão declara que há muita informação em ‘off’ ocasionando boatos, mas nenhuma delas é confirmada oficialmente.
De concreto segundo a assessoria do órgão é que o texto está pronto e aguardando o parecer final do presidente Jair Bolsonaro para ser apresentado ao Congresso, com a previsão de que seja antes do feriado de Carnaval. Hoje em entrevista coletiva no Palácio do Alvorada, o chefe do Executivo declarou que não irá mexer com os atuais servidores.

*Nossa sessão fato ou fake busca checar oficialmente o que repercute na imprensa nacional com a intenção de mostrar na íntegra, o fato como ele realmente é e por fim, reiterar nosso compromisso com a verdade da informação sobre o tema das Agências e de interesse dos servidores destas autarquias.

Fonte: Ascom/Sinagências

Os comentários estão encerrados.