fbpx

Senado quer realizar audiência com Lobão e quatro governadores para discutir royalties do minério

Rio de Janeiro sediará 1º Congresso Mundial de Saúde da América Latina
30 de setembro de 2011
Sinagências realiza ciclo de reuniões no Rio de Janeiro
6 de outubro de 2011

BRASÍLIA – A Comissão de Infraestrutura (CI) do Senado pretende realizar uma audiência pública com o ministro das Minas e Energia, Edison Lobão, e os governadores Simão Jatene (Pará), Antonio Anastasia (Minas Gerais), Marconi Perillo (Goiás) e André Puccinelli (Mato Grosso do Sul), antes de colocar em votação um projeto de lei que altera a base de cálculo da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM). O senador Aécio Neves (PSDB-MG) apresentou nesta quinta-feira um substitutivo ao texto original, de autoria de seu colega de bancada Flexa Ribeiro (PSDB-PA), propondo o aumento para 5% da compensação financeira sobre o valor bruto resultante da venda do produto mineral.

Aécio justificou sua proposta argumentando que essa nova alíquota teria como objetivo reduzir a diferença existente entre os valores arrecadados com os royalties do minério e os do petróleo, que são hoje de 10%, podendo chegar a 5% em situações específicas. Para o senador mineiro, seu substitutivo visa permitir que estados e municípios com atividades de mineração possam ter condições de recuperar suas áreas degradas com a atividade. Na sua opinião, é preciso corrigir o que classifica como uma "injustiça" a esses estados produtores de minérios.

– O que os estados e municípios mineradores recebem de compensação pela exploração de suas jazidas é irrisório. É algo absolutamente incompatível com a necessidade que esses municípios têm. Para se ter uma ideia, enquanto o setor mineral distribui de royalties R$ 700 milhões, a exploração do petróleo, que é feita em grande parte em águas profundas, garante uma renda para estados e municípios brasileiros em torno de R$ 24 bilhões – ressaltou Aécio, ex-governador de Minas Gerais, uma dos estados com maior área degradada pelas mineradoras.

O texto original apresentado por Flexa Ribeiro propõe uma alíquota menor do que a sugerida pelo senador mineiro, que seria de 3% sobre o valor do faturamento bruto das mineradoras. O senador do Pará, outro estado que sofre com a degradação provocadas pela ação das mineradoras, explicou que sua iniciativa não é contra as empresas exploradoras de minério, mas a favor dos brasileiros.

– Não podemos aceitar que recursos que deveriam estar indo para o atendimento das necessidades de estados e municípios estejam indo só para as mineradoras – ponderou.

O senador Clésio Andrade (PR-MG) chegou a sugerir nesta quinta que a audiência da CI, que será realizada em conjunto com a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), fosse realizada em uma serra de Minas Gerais, para que os parlamentares e as autoridades convidadas pudessem ver a degradação ambiental causada pelas mineradoras. Para o senador Walter Pinheiro (PT-BA), este projeto poderá ser o pontapé inicial para uma nova regulação e fiscalização do setor de mineração.

Além de Lobão e dos governadores dos quatro estados, também serão convidados para participar da audiência o diretor de Planejamento e Arrecadação do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), Marco Antonio Valadares Moreira; o diretor Presidente do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), Paulo Camillo Vargas Penna; o diretor Presidente da empresa Vale S.A., Murilo Ferreira; e o presidente da Associação dos Municípios Mineradores do Brasil (Amib), Anderson Costa Cabido.

Fonte: O Globo

FILIADO, O SERVIDOR QUE FAZ A DIFERENÇA.

Sinagências, o Sindicato de todos! clique aqui e filie-se

Os comentários estão encerrados.

LOGIN
WhatsApp Entre em contato