fbpx
Aprovados no último concurso da ANAC cobram ampliação de vagas
24 de outubro de 2013
Comissão do Código de Mineração debaterá importância dos minerais estratégicos
25 de outubro de 2013

Orçamento limitado
Correio Braziliense – 25/10/2013

Apesar de os servidores federais prometerem, para o ano que vem, uma greve nos moldes da ocorrida em 2012 — quando 80 mil pessoas cruzaram os braços —, o governo não parece disposto a reservar um novo espaço nos cofres para reajustar os salários além dos 5% já acordados com a presidente Dilma Rousseff. Para o analista em planejamento e orçamento Fabiano Core, assessor da Secretaria de Orçamento Federal (SOF), o fraco crescimento da economia e das receitas neste ano impossibilitam um aumento real para os funcionários públicos.

Com o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) estimado em 2,5% para este ano, Core afirmou que a insistência do governo em continuar indexando o salário dos servidores à inflação passada significa um “perigo enorme” ao orçamento. “Como começar a reajustar salários acima da inflação ou a título de reposição dela com um PIB tão pequeno e com a produtividade crescendo pouco? É preciso olhar para a frente, apostando em um inflação futura menor. Não dá para recuperar perdas”, explicou ele durante seminário da Associação Nacional dos Servidores da Carreira de Planejamento e Orçamento.

Ameaça de greve

Core ponderou, contudo, que uma greve nas proporções da ocorrida em 2012 pressiona — e muito — o governo, por afetar setores que atendem diretamente o cidadão, como saúde e educação. “Neste momento, há um ponto a favor dos grevistas, o período pré-eleitoral. Porém, é importante ressaltar que um novo aumento real aos servidores não cabe no orçamento”, pontuou.

O novo secretário da SOF, José Roberto Fernandes, comentou que, pessoalmente, acredita em uma forma de elaborar o orçamento diferente da que ocorre hoje. “Há experiências de países vizinhos interessantes, especialmente o Chile, mas não só ele, como a utilização de instrumentos de médio prazo, planejar os investimentos com uma certa antecedência, imaginar quais são os investimentos trarão maior produtividade para o Brasil. Dentro do governo, isso é uma discussão ainda não finalizada”, afirmou.

Fonte: Correio Braziliense

Os comentários estão encerrados.

LOGIN
WhatsApp Entre em contato