fbpx

Leilão do 4G será em setembro e renderá ao menos R$ 7,7 bi ao governo

Missa de 7º Dia em intenção da mãe de Carlos Zenão
22 de agosto de 2014
Agências reguladoras perderam seu papel, diz Barroso
22 de agosto de 2014

A Anatel publicou nesta quinta-feira (21) o edital para o leilão do 4G, que será realizado no dia 30 de setembro.

No total, serão disponibilizados seis lotes da faixa de 700 MHz às operadas, que juntos garantirão pelo menos R$ 7,7 bilhões ao governo.

As empresas interessadas terão de apresentar suas propostas no dia 23 de setembro. Elas poderão pagar à vista ou de forma parcelada, quintando 10% do lance à vista e o restante em seis vezes.

Os lotes 1, 2 e 3, que têm lance mínimo de R$ 1,928 bilhão cada um, garantirão cobertura em todo o território nacional.

Já o lote 4, cujo lance mínimo é de R$ 1,893 bilhão, deixará de fora 89 municípios nos Estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná.

A cobertura de 4G nestas cidades será feita por quem vencer os lotes 5 (R$ 29,6 milhões de lance mínimo) e 6 (R$ 5,3 milhões).

VANTAGENS

A telefonia móvel de 4G, mais veloz do que a de 3G e mais eficaz na transmissão de dados e vídeos, já está implantada nas principais regiões metropolitanas do país na frequência de 2,5 giga-hertz (GHz), leiloadas visando à instalação do serviço na Copa.

A diferença entre a frequência de 2,5 GHz e 700 MHz é que esta última tem maior alcance, demanda menos antenas e é mais apropriada para regiões menos populosas.

Para ficar com a faixa, além do lance mínimo, as operadoras vencedoras terão de desembolsar R$ 3,6 bilhões para arcar com os custos de redistribuição dos canais de televisão que utilizam a faixa atualmente e mitigar a interferência.

Empresas estrangeiras que ainda não atuam no Brasil também poderão participar.

"Acho que há vantagens também para novos entrantes, mas dificilmente se consegue fazer um prognóstico sobre isso", afirmou João Rezende, presidente da Anatel.

Caso não haja interesse por algum lote, haverá uma segunda rodada, na qual serão disponibilizados os lotes de 7 a 18.

Rezende não quis comentar o efeito fiscal que o leilão do 4G terá. Os valores levantados ajudarão o governo a fechar as contas num ano em que vem enfrentando dificuldades para cumprir a meta de economia de gastos, o chamado superávit primário.

"É uma faixa importantíssima para banda larga móvel. Não fazemos conta de chegada. Nosso trabalho é técnico. Sobre arrecadação, a pergunta tem de ser feita ao Tesouro", afirmou.

LIMINAR

O TCU (Tribunal de Contas da União) suspendeu na quarta-feira (20) liminar que estava interrompendo o processo de licitação da 4G da telefonia móvel, permitindo a publicação do edital.

As teles trabalhavam para que ele fosse feito apenas em 2015 de olho numa redução do preço.

A pressa do governo em fazer o leilão deve-se às dificuldades para cumprir a meta de economia de gastos neste ano, de 1,9% do PIB (Produto Interno Bruto), por causa da retração na economia.

Fonte: Folha de São Paulo – Mercado

Os comentários estão encerrados.

LOGIN
WhatsApp Entre em contato