COLETIVA DE IMPRENSA – Presidente Bolsonaro declara que vai obedecer critérios técnicos para direção das Agências

Indicações técnicas para diretoria das Agências Reguladoras sinalizam mudança de paradigma por parte do Governo
16 de janeiro de 2020
“As Agências devem ser desburocratizadas, ter o apoio do governo e do parlamento para colocarmos o Brasil para frente” diz Presidente Bolsonaro em coletiva de imprensa
16 de janeiro de 2020

A Assessoria de Comunicação (Ascom) do Sinagências entrevistou o presidente Jair Messias Bolsonaro, em coletiva de imprensa, realizada no Palácio da Alvorada, na manhã de quarta-feira (15/01).  Na ocasião, a equipe da entidade perguntou ao chefe do Executivo a respeito das perspectivas de indicação aos cargos de diretoria das Agências Reguladoras, que ainda estão vagos. A coletiva durou cerca de 13 minutos e, cinco deles, foram dedicados à categoria.

Servidor, o Sinagências, como representante dos servidores das Agências de Regulação, acompanhará diariamente as coletivas do presidente; a fim de construir diálogos com o governo e promover a regulamentação das carreiras que exercem atividades típicas de estado, no âmbito do Projeto Arca.

Filiado (a), a entidade quer ouvir você!  Envie sugestões de pautas ou perguntas direcionadas ao presidente da República para a Ascom do Sinagências pelo whatsapp (61) 991051808, ou pelo e-mail: ascom@sinagencias.org.br  

Veja entrevista na íntegra *:

Ascom: Presidente, os servidores das Agências têm visto, de forma positiva, as indicações técnicas que o senhor tem feito. O senhor tem previsão para as próximas indicações aos cargos que ainda estão vagos nas Agências? 

Presidente Jair Messias Bolsonaro: As Agências passam desapercebidas perante a sociedade, mas as decisões, em sua grande parte, e as políticas de governo passam por lá. Nós estamos mostrando, por exemplo, o caso da Aneel, referente à energia solar. Tem muita gente boa lá dentro, mas as decisões, muitas vezes, não são aquelas que interessam ao povo brasileiro, povo esse ao qual nós devemos lealdade. Eu tenho conversado com alguns integrantes das Agências Reguladoras e está sendo muito boa a conversa, em especial, com a Anvisa.

Serão obedecidos critérios técnicos para indicações à direção das Agências esse ano. Na Anvisa, colocamos um almirante. Não é apenas um almirante. É um médico, que tem um profundo conhecimento do que ele fez e do que faz.  A questão do canabidiol teve, em grande parte, a decisão dele. Era uma porta aberta para o plantio de maconha. Não somos contra o tratamento via canabidiol, mas não da forma em que queriam fazer por lá [na Anvisa]. Então, ele [o almirante], ajudou e muito, de modo que o placar final ficasse em 3×1 contra o que poderia ser o plantio de maconha no Brasil.

Ascom: O senhor tem previsão para mais alguma indicação? 

Presidente Jair Messias Bolsonaro: Não. Tem umas vinte e poucas indicações para fazer. A gente sempre faz cerca de trinta dias antes de vencer o prazo. Temos de procurar pessoas que queiram realmente assumir esse compromisso porque, algumas Agências, mexem com centenas de bilhões de reais.  A Anvisa, por exemplo é muito importante. A gente não pode protelar por muito tempo a liberação das pautas que interessam a sociedade. Nós estamos trabalhando em cima de uma agora.

Tem um médico que já fez uma prova fora do Brasil. Um cidadão que se acidentou e teve fratura na cervical. Então, se esse tratamento for iniciado até o quarto dia, ele pode ser uma pessoa normal em um ano e pouco. Isso está parado na Anvisa.

Eu, por exemplo, se sofrer um acidente agora, eu quero esse produto. A exemplo, também, a fosfoetanolamina sintética [pílula contra o câncer]. Nós aprovamos na Câmara em tempo recorde pois, a Anvisa, lá atrás, entrou com processo e ganhou uma liminar no Supremo Tribunal Federal. Então, a mesma substância é feita nos Estados Unidos e vem para o Brasil como suplemento alimentar. Certas coisas não tem como esperar. Quem está morrendo e quem vai ficar tetraplégico a vida inteira, tem pressa.

Por isso, a questão das Agências é importante. Há pouco tempo, tive um problema com uma Agência para indicar uma pessoa. Estava tendo problemas, não por nossa parte, mas pelo lado da Esplanada. O ministro chegou ao ponto de falar em pedir demissão porque qualquer negócio que se faz de fora para dentro do Brasil, o pessoal olha o perfil das Agências. Se o perfil da Agência for para complicar, não vai ter negócio. Então, vencemos a resistência e indicamos a pessoa e está tudo certo.

 

Fonte: Ascom/Sinagências

*A opinião do presidente Jair Messias Bolsonaro não é a opinião do Sinagências. Nossa intenção é mostrar na íntegra, o fato como ele realmente é e por fim, nosso compromisso com a verdade da informação.

 

Os comentários estão encerrados.