fbpx

Liminar garante aos servidores do DNPM pagamento de adicionais suprimidos por normativa do Ministério do Planejamento

Sinagências solicita revisão de entendimento sobre desempenho de atividades em dia de Feriado municipal e estadual
29 de julho de 2010
Clipping ANP (26/07 a 02/08/2010)
2 de agosto de 2010

Diversos servidores tiveram suprimidas parcelas relativas à insalubridade, periculosidade, radiação ionizante e raio-x

Os servidores do Departamento Nacional de Produção Mineral – DNPM obtiveram decisão liminar de antecipação de tutela, em ação de Wagner Advogados Associados, movida pelo Sinagências, a fim de evitar a supressão do pagamento dos adicionais de insalubridade, periculosidade e irradiação ionizante e da gratificação de Raio-X. A ação restabelece ainda a forma de pagamento anterior à Orientação Normativa nº 02 de 2010, da Secretaria de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, para aqueles que já tiveram as parcelas suprimidas.

Após a publicação da referida ON, o Departamento acabou restringindo o direito dos servidores ao aplicar condições não previstas em lei para o pagamento dos adicionais:

– A Orientação Normativa extrapolou o poder regulamentar e acabou por estabelecer uma série de condições e restrições ao próprio direito dos servidores à percepção dos adicionais e gratificações – explica o advogado do escritório Wagner Advogados Associados, Luiz Antonio Müller Marques.

O entendimento judicial foi também o de que a Orientação criou restrições não previstas em lei, tanto que prevê a impossibilidade de acumulação de gratificações e adicionais não expressas na legislação. O Regime Jurídico Único, por exemplo, proíbe apenas a acumulação de adicionais de periculosidade e insalubridade simultaneamente, devendo haver a opção do servidor, e nada versa sobre a não acumulação de adicionais de irradiação ionizante e gratificação de raio-x – o que é proibido pela Orientação Normativa.

– Ofende o princípio da legalidade a constrição de direitos com base em critério não sediado em lei e incompatível com as finalidades da norma, sendo incabíveis as restrições impostas na Orientação Normativa nº 02 – afirmou a magistrada da 17ª Vara Federal do Distrito Federal – DF, Cristiane Pederzolli Rentzsch.

A ação coletiva que o Sinagências ajuizou em favor dos filiados vinculados a Anvisa ainda aguarda despacho judicial sobre o pedido de antecipação dos efeitos da tutela jurídica (liminar).

Fonte: Wagner Advogados Associados, com informações do Processo nº 24980-79.2010.4.01.3400, da 17ª Vara Federal do Distrito Federal.

Clique aqui e veja a decisão sobre o pagamento de adicionais suprimidos dos servidores do DNPM

Sinagências, o Sindicato de todos!
Contribua para o futuro da categoria, clique aqui e filie-se ao Sinagências

Os comentários estão encerrados.

LOGIN
WhatsApp Entre em contato