fbpx

Servidores de agências federais entram em greve com grande adesão no AC

Sinagências realiza assembleias informativas no Rio de Janeiro
19 de julho de 2012
Marcha da Regulação: Brasília, HOJE (19/7) às 16h, da Catedral ao Ministério do Planejamento
19 de julho de 2012

18/07/2012 07:23 – Atualizado em 18/07/2012 07:32

Os trabalhadores das agências de Telecomunicações (Anatel), de Vigilância Sanitária (Anvisa) e de Aviação Civil (Anac) no Acre entraram em greve na segunda-feira (16). Um protesto unificado será realizado na manhã desta quarta-feira (18) no centro de Rio Branco.

Com a adesão de novas categorias, ações de fiscalização de aeroportos, das empresas de telecomunicações e até de medicamentos e de alimentos estão paralisadas. O atendimento segue a regra constitucional de manter apenas 30% dos serviços, o que começou a prejudicar a importação de produtos.

“Aqui no Acre, a categoria aderiu ao movimento em 100%, mas em outros estados, apenas os medicamentos comprados para os hospitais públicos estão sendo liberados”, detalhou o ouvidor do Sindicato Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação (Sinagências), Luiz Carlos Soares.

De acordo com o sindicalista, trabalhadores de todas as 11 agências brasileiras aderiram ao movimento grevista por melhores condições de trabalho, apoiando o movimento iniciado pela Universidade federal do Acre (Ufac), Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e a Fundação Nacional dos Índio (Funai), que também participarão do movimento de protesto que será realizado nesta quarta-feira.

Os funcionários das agências reivindicam a criação de uma carreira única para a regulação federal, reajuste de acordo com a inflação e reestruturação da carreira. Na pauta geral, os servidores federais exigem 22,08% de aumento, concurso público e isonomia entre carreiras similares de um mesmo ministério. No caso dos servidores da Funai, eles querem mais agilidade na homologação de terras indígenas.

Mesmo com adesão total das categorias, 30% dos serviços são mantidos de acordo com a lei.

Foto: Jornal A Tribuna

Fonte: Jornal a Tribuna, por Freud Antunes

Os comentários estão encerrados.

LOGIN
WhatsApp Entre em contato