fbpx

Senadores querem fiscalização preventiva por parte de agências reguladoras

Projeto acrescenta regras para nomeação de diretores das agências reguladoras
13 de junho de 2013
Anvisa decide anular prova de concurso, diz assessoria
14 de junho de 2013

Críticas à atuação das agências reguladoras marcaram as manifestações de senadores que integram a Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI), tanto governistas como da oposição. O tema foi discutido em reunião nesta quarta-feira (13), antes da votação de proposições.

– Precisamos repensar o funcionamento das agências reguladoras, que devem ser agências de Estado e não de governo. As agências precisam representar o usuário [de serviços públicos], o cidadão que paga imposto e usa rodovias, ferrovias e aeroportos – disse o senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES).

Ferraço pediu maior controle e fiscalização do Senado sobre os dirigentes desses órgãos, entre eles a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Ao relacionar as funções das agências, Walter Pinheiro (PT-BA) incluiu regulações de mercado e ajustes nas condições para competitividade, mas citou como principal função garantir a prestação de serviço ao cidadão.
– Não podemos constituir agências reguladoras como mero instrumento de cobrança, como agências multadoras. Quando ela dá a multa, é porque já chegou depois que o serviço não foi fornecido. Tem que chegar antes, para garantir o serviço ao usuário.

Walter Pinheiro defendeu a aprovação da PEC 89/2011, de sua autoria, que obriga os dirigentes das agências reguladoras a prestar contas de sua gestão ao Senado anualmente. A matéria aguarda votação no Plenário do Senado. Medida semelhante consta de projeto de resolução (PRS 10/2013) aprovado pelo Senado no dia 7 de março.

A prestação de contas obrigatória por parte dos dirigentes das agências também foi defendida pelo presidente da CI, Fernando Collor (PTB-AL).
– Isso valoriza o trabalho do legislador a partir das comissões temáticas do Senado da República. Todos nós concordamos que a função precípua das agências reguladoras não é aplicar multas, mas precaver para que não haja multa, garantindo a prestação do serviço ao usuário – disse Collor.

Mesmo reconhecendo que existem grandes profissionais à frente das agências, o senador Jorge Viana (PT-AC) defendeu a aprovação da PEC 89/2011 e a modernização do sistema de regulação.
– O Brasil hoje é outro. Temos 40 milhões de cidadãos que acessaram uma classe social mais acima e isso trouxe desafios novos, mas temos instituições velhas. As agências foram importantes, mas estão com a validade vencida e já não respondem ao Brasil de hoje.

Esvaziamento

Na avaliação do senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA), os governos do PT têm promovido esvaziamento e patrulhamento político-ideológico das agências reguladoras.
– Lula entendia que as agências competiam com os ministérios, o que não é verdade. Desde então, tem havido esvaziamento nas funções e na qualidade dos indicados para a direção das agências – disse o representante do Pará.

Também Ricardo Ferraço criticou a forma como esses órgãos têm sido tratados pelo Palácio do Planalto.
– As agências foram criadas para serem autônomas e independentes, mas o governo tem agido na contramão, pois contingencia recursos e reparte o comando das agências entre partidos políticos aliados.

Para Wilder Morais (DEM-GO), o governo deve ser mais regulador e menos executor. Deve definir regras mais claras para uma maior participação da iniciativa privada nos projetos de infraestrutura e direcionar as agências reguladoras para acompanhar os projetos desde o início.

Sabatinas

Para Ricardo Ferraço, o sistema regulatório brasileiro está falido e os senadores teriam parte da responsabilidade, pela ineficiência no processo de exame dos nomes indicados pelo Executivo para cargos de direção dos órgãos reguladores.
– As sabatinas [dos indicados] precisam ser feitas com enfrentamento de questões reais, precisam ser relevantes. Não podem e não devem ser mera homologação [da indicação do Executivo].

O senador Lobão Filho (PMDB-MA) concorda com a coresponsabilização do Senado e também critica a forma com que os indicados são sabatinados.
– Uma das coisas que mais me angustiam nessa Casa é essa questão homologatória das sabatinas. Recebemos aqui a indicação de governo, fazemos meia dúzia de perguntas ridículas e depois damos ao indivíduo o cargo de ministro do Supremo ou do Tribunal de Justiça ou um cargo nas agências – disse Lobão Filho, ao defender que, além de aprovar o nome do dirigente, o Senado também possa pedir sua destituição, quando o gestor não cumprir com seus deveres.

Com o objetivo de aprofundar a discussão sobre a reformulação das agências reguladoras, o senador Ricardo Ferraço informou que apresentará requerimento para que a CI realize audiência pública sobre o tema.

Dilma
Os senadores se manifestaram no mesmo momento em que a imprensa noticia a uma provável reestruturação das agências reguladoras em preparo pelo governo. A ideia seria retirar desses órgãos o poder de fazer conceções de serviços e aumentar seu papel fiscalizador, mas sob rigoroso controle do governo federal.

De acordo com essas notícias, a presidente Dilma Rousseff condicionaria o repasse de recursos ao desempenho das agências cobrado por meio de um sistema metas.

Fonte: Agência Senado

Os comentários estão encerrados.

LOGIN
WhatsApp Entre em contato