fbpx

Enquete da Câmara dos Deputados aborda direito de greve para os servidores públicos

Sinagências assina Termo de Acordo padrão para todos os órgãos reguladores
17 de setembro de 2012
Rio de Janeiro: Reunião com servidores da ANCINE, quarta-feira (19)
19 de setembro de 2012

Enquete publicada no portal da Câmara dos Deputados pergunta se o cidadão é a favor do direito de greve para os servidores públicos. As respostas variam. O internauta pode optar por "Sim, com as mesmas regras da iniciativa privada"; "Sim, mas com uma regulamentação específica"; "Não"; e "Não sei".

A enquete baseia-se no fato da recente onda de greves e na incapacidade de o governo ainda não ter definido uma proposta de regulamentação do direito de greve para o funcionalismo.

Para auxiliar o internauta a votar, o portal apresenta um texto lembrando que o direito de greve dos servidores públicos é debatido no Congresso Nacional há pelo menos 20 anos. Cita, por exemplo, que o Projeto de Lei 4497/01, da ex-deputada Rita Camata, que tem nove apensados, sustenta o título de uma das principais proposições sobre o assunto em tramitação na Câmara.

Desde 2008, o texto aguarda parecer na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), onde quatro relatores já foram designados, mas nenhum deles apresentou parecer. No mês passado, a relatoria foi repassada para o deputado Jorginho Mello (PSDB-SC). Apesar disso, ele considera que o projeto que relata “está velho e mofado” e o último parecer – de 2008 na Comissão de Trabalho – também precisa ser atualizado. O novo relator adianta que pensa em propor um texto substitutivo. Mello teme que qualquer encaminhamento sobre a regulamentação das greves acabe favorecendo apenas um dos lados.

O tema também é discutido no Senado. O Projeto de Lei 710/11, em tramitação naquela Casa, veda a paralisação de atividades estatais essenciais e prevê a possibilidade de contratação por tempo determinado de servidores no caso de não haver o comparecimento do número mínimo de trabalhadores.

O Sinagências entende que, antes de qualquer tipo de discussão para regulamentar a greve no âmbito dos três poderes, é importante garantir que haja, de fato, um processo de negociação, que seja feito por fases, para que se evite a paralisação dos serviços. Para o Sindicato, os servidores não desejam chegar a esse ponto. Mas merecem ser tratados com respeito. A entidade destaca ainda que a greve acaba se tornando a única alternativa diante da intransigência do governo e da falta de um processo de negociação eficaz.

O Sindicato também alerta que, antes da aprovação de alguma lei que atente contra o direito de greve expresso pela Constituição Federal de 1988, é preciso implementar a data base anual para o serviço público e haver uma discussão minuciosa sobre o tema, com a participação de representantes da sociedade civil.

Para votar na enquete clique aqui.

Os comentários estão encerrados.

LOGIN
WhatsApp Entre em contato