sábado, abril 21

Sinagências e Univisa se reuniram para falarem sobre pautas da categoria reguladora

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

O presidente do Sinagências, Alexnaldo Queiroz, esteve na tarde de terça-feira (21), na sede da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) em Brasília, para uma reunião com os membros da Associação dos Servidores da Anvisa (Univisa).

Durante o encontro, o presidente falou sobre o que foi aprovado no IV CONSAG – O Congresso Nacional dos Servidores das Agências Nacionais de Regulação, realizado entre os dias 27 a 29 de outubro passado, também explicou como serão as próximas ações da entidade em defesa da categoria e detalhou o plano de lutas e a pauta de negociação aprovada na Plenária do Congresso. O documento pode ser acessado aqui .

No ensejo, o presidente também tratou sobre as mudanças que estão ocorrendo na entidade e pediu apoio para novas filiações ao Sindicato.

Segundo o presidente da Univisa, a reunião foi produtiva e a iniciativa deve se repetir. “O Alexnaldo foi claro sobre todas as deliberações do IV CONSAG, achei a reunião produtiva. Acho que é um caminho sincero de aproximação e que não se perca esse norte e a parceria com os servidores”, analisou Carlos Renato Ponte.

Temas específicos relacionados aos servidores da ANVISA também foram tratados e os membros da associação falaram sobre a dificuldade de mobilização para as lutas contra as pautas de reformas que estão em tramitação tais como a Previdenciária e sobre reestruturação das carreiras das Agências Reguladoras.

Os participantes também falaram sobre as questões voltadas às coordenações de Portos, Aeroportos e Fronteiras e a necessidade de fortalecimento e ações específicas referentes a inspeção internacional e da recente alteração na Resolução da Diretoria Colegiada (RDC), nº 39/2013, mudando as regras para verificação e cumprimento das boas práticas de fabricação de produtos para a saúde.

O sindicato se colocou à disposição para a continuar o debate e a buscar soluções para melhorar tais contextos, inclusive judicialmente contra as alterações da resolução.

Fonte :Ascom/Sinagências

Share.

Comentários desabilitados.